quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Ensaio da morte

Ensaias a morte na cama do hospital enquanto te injectam mais uns dias de vida. Poucos, tu sabes. Vejo-te no quarto abafado, a que cada dia chega uma história nova. Dou por mim a abanar-te com um leque, num movimento que conheço demasiado bem. O cheiro doce da doença alarga as narinas e cola-se à memória.
E mesmo assim, num canto irrespirável duma sala fervilhante de dor, irradias luz. Cheiras a mar. Ao  mar do Guincho, cheio de ti. Onde se ouvem as tuas expressões pelo passeio da ciclovia, onde a areia ainda guarda os teus passos. A luz ilumina o teu sorriso e o mar que te esperou, abraça-te agora num movimento infinito que te perpetuará.

Sem comentários: